Petróleo, praias do nordeste. A nossa inteligência e a nossa estupidez.

Falei por telefone agora com o secretário municipal de meio ambiente/PV de Salvador/BA, André Fraga. Jovem arquiteto e ambientalista que vem fazendo um bom trabalho na primeira capital do Brasil nos últimos anos.


Segundo ele, após muito trabalho, de voluntários e da prefeitura, as praias da orla oceânica estão sob controle. Ele alerta porém, que não se sabe ainda a extensão dos danos à biodiversidade marinha nas regiões afetadas por mais este desastre ligado a indústria mundial do petróleo.
Sim, mais este desastre, pois não é o primeiro e não será o último. Lembrem por exemplo aquele terrível episódio ainda recente no Golfo do México.


O petróleo e o carvão, os dois principais combustíveis fósseis, foram elementos decisivos em toda revolução industrial. Base energética nos últimos séculos para o desenvolvimento mundial e melhoria na nossa qualidade de vida. Não houve nenhum país, capitalista ou socialista, que não tivesse o uso destes recursos energéticos (na verdade energia solar fóssil) nos fundamentos de sua economia.


O problema é que seu uso intensivo passou da conta! E a conta chegou no século XXI para todos nós na forma da crise ou emergência climática.


Não são mais só desastres, acidentes,eventuais, como o do Golfo do México ou do Nordeste do Brasil. É agora um desafio estrutural na economia mundial. Trata-se de sair da dependência energética tóxica do petróleo e do carvão e construir o mais rápido possível suas alternativas que tenham menor impacto sobre a vida do planeta. Solar, eólica, etanol e outros biocombustíveis, hidroeletricas, etc. E eficiência energética. E freio no consumismo desenfreado de parte da humanidade. Ou seja, uma nova forma de produzir, de viver, de conviver, mais justa, simples, austera, equilibrada.


A inteligência que domesticou parcialmente o petróleo nos séculos passados fará esta transição a tempo ? 


E a estupidez citada no título acima deste texto? Isso é referente ao que acontece no Brasil atualmente. Tudo, até um acidente deste tipo ligado a produção, transporte e uso do petróleo, vira motivo para mais um surto de radicalismo político da direita e da esquerda. Presidente, ministros, governadores, militantes de um lado e do outro se lançam numa frenética competição para descobrir "o mais culpado" . O momento agora é trabalhar para reduzir os danos unindo e não dividindo esforços. Os especialistas um dia, talvez, descubram a origem do acidente...E aí poderão ser cobradas reparações.


Quanto ao petróleo, bem, vamos fazer a nossa parte. Mudar nossa forma de viver. Quem pensa ainda, na esquerda e na direita, que o pré-sal é a salvação da lavoura está estacionado no século XX.

Eduardo Jorge

Política de Privacidade

Contato

Av. Nove de Julho, 3786 - Jardim Paulista, São Paulo - SP, 01406-000, Brasil

AVATAR PV NEGATIVO.png

PV Nacional: www.pv.org.br