Natalini relata participação e resultados da COP25

Participamos da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, a COP25, realizada em Madri, na Espanha, representando oficialmente a Câmara Municipal de São Paulo.
A convite de várias organizações, debatemos sobre o papel das cidades na mitigação e adaptação às mudanças climáticas, controle do desmatamento e  desmonte de políticas ambientais no Brasil.


Apresentamos uma reflexão a cerca da grave situação que vem se apresentando no Município de São Paulo. A prefeitura se omite no enfrentamento às mudanças climáticas. Um retrocesso em relação ao protagonismo da Cidade  que, em 2009,  se tornou a primeira no Brasil a lançar uma  Lei Municipal de Mudança do Clima. Além disso, ousamos com os programas Operação Defesa das Águas, Operação Córrego Limpo e a criação de novos parques, principalmente no período entre 2005 e 2012. Hoje, em contraposição, São Paulo está em situação de completo abandono e descaso para com a agenda ambiental.


No Painel dedicado aos governos locais, com representação de várias cidades mundiais, cientistas e sociedade civil, levamos algumas iniciativas como a Lei 16.802/2018, que prevê a troca de combustível da frota de ônibus da Cidade, substituindo o poluidor óleo diesel por combustíveis limpos.


Ao longo dos cinco dias em que estivemos na COP25, relatamos o maior problema que nossa Cidade enfrenta atualmente: a devastação da Mata Atlântica. Levamos a questão a todas delegações presentes, organizações de meio ambiente e  autoridades das Nações Unidas, como a Secretária Executiva de Clima da ONU, Patrícia Espinosa, e a vice-presidente do  Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas,Thelma Krug. 


No evento “Virando a Maré contra o Desmatamento”, expusemos a denúncia, bem como as soluções que a Cidade deveria adotar para enfrentar a derrubada sistemática da Mata Atlântica. 


Do mesmo modo, acompanhamos as assembleias em que negociadores das delegações discutiram um acordo Global. 


Neste quesito, o resultado da conferência foi pífio. Fizemos pouco frente à emergência climática e às necessidades do Planeta. 


Com dois dias de atraso, a Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU) terminou sem alcançar suas principais metas. Por exemplo, não conseguimos regulamentar um mercado mundial de carbono.


O insuficiente texto final prevê que os países terão de apresentar, em 2020, compromissos mais ambiciosos para reduzir as emissões e enfrentar as mudanças climáticas na próxima Cúpula, que será realizada em Glasgow, na Escócia, em novembro de 2020.


O Governo do Brasil fez um papel terrível e, junto com Estados Unidos, Índia e China manifestou-se contrário à adoção de metas mais ambiciosas.


Por ação de alguns países, inclusive o Brasil, o planeta perdeu grande oportunidade de firmar acordo avançado para o clima, uma decepção para todos nós comprometidos com o enfrentamento da emergência climática.


Gilberto Natalini
Ambientalista e Vereador PV-SP

Política de Privacidade

Contato

Av. Nove de Julho, 3786 - Jardim Paulista, São Paulo - SP, 01406-000, Brasil

AVATAR PV NEGATIVO.png

PV Nacional: www.pv.org.br